sábado, 31 de dezembro de 2011

2012. O que vai acontecer?

Você sabe? Acho que não, não é? Eu também não sei. Ninguém sabe. Mas a vida é assim desse jeito: incerta. A gente nunca sabe o que vai acontecer. Não precisamos saber. Porque a graça de viver está em descobrir a vida, vivendo a cada dia caminhando, sem medo do que vai acontecer amanhã.

O ano está acabando e logo vem essa sensação de medo pelo que está vindo por ai. O novo sempre dá aquele medo e aquela insegurança. Quando estamos caminhando, até o próximo passo nos causa medo. Pois, em um só movimento nosso, muita coisa poder mudar em nossa vida. Pode ser um acerto ou um erro. O próximo passo é invisível, nunca sabemos o que nos espera e nem quem nos espera. Mas isso não pode fazer com que fiquemos paralisados no mesmo lugar. Repito: ninguém sabe o que vai acontecer! Ninguém tem uma bola de cristal. Ainda que tenha, ninguém tem o poder de te dizer aquilo que vai acontecer em sua vida no futuro. Nós dependemos de Deus. Seja num quilometro de caminhada ou num pequeno passo que damos adiante. Dependemos dEle em tudo!

Nosso futuro está nas mãos de Deus. Quando aprendemos a confiar nEle todo medo desaparece. A confiança precisa tomar o lugar de todo o medo em nosso coração. Porque quando confiamos única e exclusivamente em Deus não há porque temer o futuro. Estamos seguros nEle.

Não importa se nesse ano a gente não conseguiu fazer tudo aquilo que queria. Ou quem sabe não conseguiu concertar aquele erro, reparar aquela falha, pedir o perdão daquela pessoa... Enfim, não importa os pontos negativos nesse momento. O ontem já passou e virou passado, apagado pela misericórdia e bondade de Deus. Deus hoje quer entregar em suas mãos a força necessária para virar a página desse ano que está acabando. E colocar um lápis em suas mãos para te ajudar a escrever esse novo ano que vai iniciar. As folhas estão em branco. Ele te dá liberdade de escolha. Ele não quer escrever por você. Ele quer ajudar você. Se você aceitar Ele vai ficar muito feliz, pois não existe ninguém nesse mundo que queira te ver mais feliz do que Ele.

Ainda que a gente não perceba, nem sinta.. Deus tem sempre uma enorme alegria em nos cumular de bênçãos. Não o culpe pelas coisas ruins que te aconteceram. Até mesmo nesses momentos Ele sempre esteve com você, comigo e com todos nós. Faça o contrário. Agradeça hoje porque você está vivo, respirando, por ter uma família, por estar lendo essa simples mensagem. Agradeça de todo seu coração pelas coisas mais simples. Meu coração se enche de muita alegria por ver Deus agindo nas pequenas coisas. Eu amo o Senhor por isso e por muito mais. Sou pequeno e quero vê-lo agindo na minha pequenez. Isso que me faz feliz.

Deixe que Ele te ajude HOJE a levantar a cabeça, olhar pra frente sem medo, e, começar a caminhar de novo. Não olhe para trás. Não se culpe mais. Deus não te culpa. E, se te culpam, feche os ouvidos para essas vozes, e só ouça a voz de Deus te chamando a caminhar. O que passou precisa ficar para trás, acomodado no baú das lembranças que não doem mais. Deus te dá hoje uma nova página, um novo lápis. Basta você aceitar e Ele vai te ajudar a escrever uma nova história.

Obrigado, Senhor! Mesmo não merecendo tanto... Obrigado!!

Tenha um Feliz Ano Novo na paz e na esperança do nosso grande Deus e Senhor, Jesus Cristo.

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Em tudo e em toda parte

“É que eu gosto do riso de tudo. De flores. De gente. De bichos. Dos dias de céu azul lisinho. Das noites carregadas de cachos de estrelas. Da canção que as ondas cantam quando tocam a areia. Às vezes, eu vejo até o riso contido do que não tem coragem de rir.”

— Ana Jácomo

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

O tempo é nosso amigo

A vida é tanta coisa. A vida não se resume a pouco. A vida não é limitada como muita gente pensa. Se é para alguns, isso é por vontade própria da pessoa. Por que todo mundo tem o direito de limitar, de colocar limites e barreiras para viver e caminhar. Todos nós temos um poder autodestrutivo nas mãos. Você pode se destruir com suas próprias escolhas, com suas vontades. Isso também é liberdade.

Todo mundo é livre para escolher por onde quer ir. Mas os caminhos não são poucos. Todo mundo é livre para tirar os frutos da árvore no momento em que quiser comer. Mas nem sempre os frutos estão maduros. A vida está permeada por algo que, às vezes, nos incomoda. O tempo. Leva tempo para você ver cada caminho, observar e discernir qual é o melhor caminho, aquele que vai te levar à felicidade verdadeira. Leva mais tempo ainda para você plantar, regar e colher os frutos na árvore. Precisa calma, paciência, insistência. E, a cima disso, esperança. Porque chegarão dias em que os frutos parecerão sem vida. O tempo vai passar lentamente e você vai precisar ir todo dia à árvore para regar e cuidar. Haverá dias em que vai dar aquela vontade de arrancar um fruto. Mas você vai precisar resistir a essa vontade. Pois, os frutos ainda estão verdes. Comer uma fruta verde não é nada bom. É amargo. Amargo ao coração da gente. Pense bem antes de fazer.

A pressa só faz com que façamos as coisas antes do momento certo. Quem sabe, você e eu, não precisamos esperar um pouquinho mais para colher os frutos que estão reservados só pra nós. Quem sabe esse tempo de “cuidar da árvore” seja um processo de cura, de amadurecimento, não só dos frutos, mas também do nosso próprio coração.

O tempo não é nosso inimigo. A pressa que deveria ser. É hora de termos esperança e acreditar que o tempo caminha ao nosso lado, de mãos dadas, nos ajudando a caminhar, a nos melhorar como pessoas. Quando aprendemos isso, vivemos de uma forma melhor. Aceitando as demoras da vida com paciência. Pois a vida foi feita para ser vivida com intensidade cada segundo.

A pressa não leva a lugar algum

"Mas não tenho mais tanta pressa. Comecei a aprender a ser mais gentil com o meu passo. Afinal, não há lugar algum para chegar além de mim. Eu sou o viajante e a viagem."

— Ana Jácomo

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Amor que é amor de verdade

“Que eu não veja obstáculos na união de corações sinceros...

O amor não se turva em águas turvas,

nem se curva ante a chuva...

Não...

(silêncio)

É uma luz constante que a tempestade não altera...

É a estrela de toda a mão errante...

de brilho claro...

embora sem matéria...

Não vejo limites do tempo,

Embora a carne sofra o peso da sua foice...

Se isso for falso e provado também,

Eu não escrevi...

e nunca se amou ninguém."

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Sem coisas vazias



Tenho uma esperança guardada aqui dentro. Bem aqui dentro de mim. Do lado esquerdo do peito. No coração tão inconstante e frágil. Minha confiança e esperança não estão numa cor de roupa ou num determinado alimento que vou comer. O importante não é passar o Ano Novo de branco, vermelho, azul, amarelo... o importante mesmo é aquilo que trazemos no coração. Isso sim faz a diferença. Uma cor de roupa não vai te fazer ter mais amor, mais dinheiro ou sucesso na vida. As pessoas são tão fúteis que acabam acreditando em coisas tão vazias como essas. Onde está a confiança em Deus? Quem roubou? Onde a gente perdeu a esperança que Ele um dia plantou em nós? Se você perdeu, é hora de encontrar. Porque não dá mais para viver assim. Acreditando que podemos conseguir o que queremos sem luta. Não dá pra ter amor, se a gente não ama e nem se ama. Não dá pra ter “sucesso” na vida se a gente não tenta dar o melhor de nós mesmos. Não dá para ver os sonhos se concretizando de braços cruzados, vendo as oportunidades passar pelas nossas mãos. Quem confia em coisas vazias, acaba se tornando uma pessoa vazia. É claro que ninguém quer ser uma pessoa vazia. Só Deus pode nos encher. Ele tem a medida necessária para o nosso coração. Nele, nós somos completos e não nos falta nada. A melhor roupa que a gente pode vestir é a roupa da confiança total nos cuidados de Deus.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Esperamos isso e muito mais..

"Quando janeiro vier, de tão azul, o céu parecerá pintado. E que seja doce!"
— Caio Fernando Abreu

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Amor não combina com traição


O que é amor para as pessoas? O que é a conseqüência do amor, que tem o nome de compromisso, para as pessoas? Ao olhar para alguns relacionamentos eu sempre me pergunto, se todos sabem o que é amor, o que é amar de verdade. O que ele faz com você e o que ele te faz fazer por aquela pessoa.
Não quero que todo mundo seja do jeito que eu quero. Ninguém precisa pensar da mesma forma que eu penso. Isso, porém, não me impede de falar o que eu penso a respeito de determinado assunto.
Muitos não concordam comigo, mas sinceramente, quem ama não trai. No amor não existe traição. Por favor, não me venha agora com essa mesma historinha de “ah, carne é fraca”, “ah, é muita tentação pra uma pessoa só”, “ele(a) “deu em cima” de mim”. Desculpa, mas engula essas desculpas, essa forma tão egoísta de querer se justificar por um erro. Se a carne é fraca, o coração (que ama de verdade) é muito mais forte para poder suportar qualquer tipo de ‘tentação’.
Amor é compromisso. Quando você ama, conseqüentemente você faz um compromisso com aquela pessoa, com seu coração. É como se houvesse um laço que une os dois corações, independente da distância. Porque, às vezes, um casal está junto o tempo todo, mas na verdade, seus corações estão longe um do outro. Essa é a pior distância que existe. Pior ainda é quando só você é fiel a esse compromisso. E um dia, a verdade é lançada na sua cara. Ela(e) não era fiel como você pensava. O “eu te amo” que você ouvia era frio, vazio, sem nenhum peso de compromisso. “Eu te amo” é tão sério, tão intenso, e as pessoas estão banalizando. Estão dizendo por ai que amam, só porque beijaram uma vez ou outra, a boca daquela pessoa pelo qual estava encantado ou atraído. Encantamento e atração não é amor. O coração do outro não é um brinquedinho, que você brinca, brinca, brinca... e quando está cansado e enjoado, joga de lado sem se importar com o que pode acontecer com aquele coração.
Quantos por ai, namoram, mantêm uma relação, mas não são fieis. É difícil de entender uma pessoa que diz tanto amar, ser infiel dessa forma. E depois quando o outro descobre, ainda tem a capacidade de dizer que “não vive sem ela(e)”. Sinto muito. Isso não é amor! Amor é querer cuidar do outro como se cuida de um cristal frágil, que a qualquer momento pode se quebrar. Você zela, cuida, preservara, só para não ver o outro sofrer. Quando se ama de verdade, não existe o desejo de ver o outro sofrer. E traição só gera sofrimento, feridas que doem muito, difíceis de se curar. O laço que unia os corações se corta a partir desse momento.
Para que o seu coração possa pertencer a uma pessoa, antes você precisa pertencê-lo. Ter posse do seu próprio coração. Como você pode dar algo que nem você mesmo possui? Infelizmente, muitas pessoas não se pertencem, não tem posse de si. Seu coração é de “todo mundo”. Todo mundo entra e faz o que quiser. E você faz o que quer com os outros. Mas será que aquela pessoa que você diz amar, aquela pessoa que te ama, merece isso? E se fosse com você? Você gostaria de ser usado dessa forma? Nunca faça para o outro, aquilo que você não quer que façam para você! Amar é ser recíproco. Não existe coisa melhor nessa vida do que um amor puro, desinteressado, que não espera nenhuma coisa em troca, além de confiança, respeito e amor. Muito amor.

sábado, 17 de dezembro de 2011

Mergulha na vida e viva



"Abra-se, relaxe… solte as rédeas… quebre a barreira. Quem se doa com a alma: recebe a vida por inteira."
- Carolina Salcides


Não adianta se trancar dentro de você mesmo. As coisas ficam piores e mais pesadas, quando a gente se priva de viver o que tem para ser vivido. A vida está ai, passando diante dos nossos olhos. Não dá para ficar só olhando impotente, sem nada fazer. É preciso correr com ela. Andar do lado dela. Mergulhar nela. Não corra, nem tente se esconder. Quem vive fugindo, nunca consegue se resolver.
Como eu começo?
Comece vivendo. E só.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Confiar ou não confiar?


Sinto-me tão pequeno diante de algumas situações. É como se aquela circunstância se transformasse, diante dos meus olhos, em um monstro imenso e imbatível. Aquela força, que eu tinha, parece desaparecer e sumir de mim quando eu mais preciso. De repente, me vejo perdido, porque as vendas caíram. As vendas confiança nos cuidados de Deus sobre a minha vida.

Quando deixamos de confiar em Deus, vemos as coisas de um jeito totalmente diferente. Ficamos mais pessimistas, murmuramos de tudo, sentimos medo de dar um passo adiante, nos sentimos totalmente incapazes de vencer uma luta em nosso caminho.

Somos capazes. E não precisa que os outros acreditem nisso, para que assim sejamos. Deus caminha conosco em cada segundo da nossa vida. Todos os dias Ele nos concede a liberdade de escolher: confiar ou não confiar nEle. Antes de confiar em você mesmo, confie em Deus. Acredite que Ele está cuidando de cada mínimo detalhe de sua vida. Ele se mostra a nós nessas pequenas coisas. Para que quando vierem as grandes, nós sejamos filhos agradecidos por tudo que Ele fez e faz por nós.

A única venda que precisa cair dos nossos olhos é a venda do egoísmo, da falta de confiança em Deus. Quando nós confiamos nEle nós andamos como se estivéssemos num lugar totalmente escuro, mas com a certeza que existe alguém nos sustentando. E não há por que se desesperar. Quando Deus está no controle, nós podemos confiar e descansar.

Que nem os “monstros” mais assustadores dessa vida sejam capazes de nos roubar a fé, a confiança total em Deus. Que nada e nem ninguém limite os nossos passos. Que nada nos paralise, nem o medo, nem as dúvidas constantes. Que sejamos firmes naquele que nos faz fortes para vencer a cada dia. Pois a vida é uma luta constante. E só vence quem tem coragem de lutar.

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Bilhetinho no fim de tarde



Pra você. Pra mim. Pra todos nós.

Recomeçar



Por que a vida não espera a nossa boa vontade em ficar de pé e continuar caminhando. Não dá pra ficar paralisado no mesmo lugar, nos mesmos erros, nas mesmas vontades. A gente precisa levantar, arrancar o que nos prende no chão ou olhando para o chão. E seguir sem medo. Mesmo que o nosso jardim esteja parecendo um pântano sombrio. Não existe limites para quem acredita em sua própria capacidade de RECOMEÇAR. Não importa se para isso nós precisemos começar da estaca zero. Se é dela que temos que começar. Que assim seja! É melhor começar do zero, do que começar acumulando os mesmos erros. Todos os dias a gente recebe uma nova chance. Só cabe a nós aproveitá-la.

A escolha é sua.

Recomece!

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Não julgue pela fachada da casa

Não entendo as pessoas. Na verdade, nem me entendo. Conclui-se então, que não dá para entender os outros, se nem eu mesmo me entendo. É verdade. Mas o assunto não é esse. Não consigo entender pessoas excessivamente preconceituosas. Pessoas que antes de entrar na casa do outro, já julgam de longe. A “fachada” da casa do outro não diz tudo sobre o que está dentro dela. Essa fachada é algo superficial.

A vida do outro é como uma casa. Só conhece bem uma casa, quando (logicamente) a gente entra nela. Visita cada cômodo, repara em cada detalhe, em que lugar está cada móvel, onde é mais claro e onde é mais escuro. Onde está arrumado e limpo, e, onde está bagunçado e sujo. É a realidade de todas as “casas”. De todas as vidas. E precisamos aceitar isso. Todos nós temos diferentes sujeiras, escuridões e bagunças dentro de nossa casa. Diferentes. Mas existentes. Não adianta ficar julgando o outro. Julgar é fácil quando você não está na pele dele. Vivendo dentro da casa dele. Muito fácil apontar o dedo e condenar, quando você só faz uma visitinha rápida ali, bem onde o outro habita. É desprezível! Digo com o coração contorcido. Sem exageros.

Ah, se nós tivéssemos a dignidade de olhar bem a fachada da casa. Tomar coragem e dizer: “vou entrar ali e vou conhecer o que está ali dentro, pra depois julgar se é mesmo como dizem”. E daí que ele é gay? E daí que ela é lésbica? E daí que ele se droga? E daí que ele já fez tanta coisa errada? Você já se perguntou por que eles fazem/fizeram isso? Você já se preocupou em conhecer antes de julgar? Tenha o respeito e a decência de bater na porta da casa da pessoa que você mais condena, e, peça licença para entrar. Não vá invadindo os espaços do outro com seus pré conceitos. Com suas concepções religiosas. A vida do outro é um terreno a ser desvendado. Entre com calma. Para conhecer. Entre como se você estivesse entrando em sua própria casa, em seu próprio coração. Trate a vida do outro com o mesmo amor que você deseja ser tratado. Tire os sapatos do orgulho, da falta de amor e aceitação do que outro é. E entre. Entre sem medo. Se coloque ali, naquela situação do outro e tente imaginar como seria se você estivesse passando por isso que ele passa. Pense. Imagine. Reflita. Se for preciso, deixe que a ferida do outro doa em você. Amor é assim mesmo. É tomar um pouquinho da dor do outro pra si. Só pra aliviar um pouco o peso, a dor de ser algo que inevitavelmente a gente é.

Nós TODOS somos filhos de Deus. Deus nos criou iguais. Diferentes casas. Diferentes personalidades. Pessoas com diferentes dilemas. Mas todos iguais diante dos olhos de Deus, que é Pai. Um Pai transbordante de amor. Amor que nos perdoa e aceita do jeito que somos e estamos. Sujos ou limpos. Bons ou maus. Ele nos ama e essa certeza ninguém pode nos roubar. Não deixem que roubem de você! Deus te ama. Se Deus que nos criou e nos ama tanto, não condena e nem julga nenhum de seus filhos, porque você ainda há tantos que insistem em julgar os outros? Porque ainda existe tanta gente preconceituosa, sem amor pelo próximo, sem amor por si mesmo? Por quê?! Penso que se uma pessoa tem tanto preconceito contra alguém é porque ela gostaria de ser igual a essa pessoa, mas não tem coragem de ser. De se assumir do jeito que é. Com seus defeitos e qualidades.

É preciso se aceitar. Se amar. Se assumir como filhos de Deus. Porque, a partir do momento em que eu me aceito, conseqüentemente, vou conseguir aceitar o outro. Amá-lo do jeitinho que ele é. Com suas bagunças e imensas desordens. Assim, vou aprender a amar de verdade e vou ter a capacidade de conseguir entrar na casa dele sem superficialidade, para ajudar a arrumar sua bagunça, compartilhar da sua dor. E ajudá-lo a vencer todas as circunstâncias que surgirem. Isso vem de Deus. Pois, Deus é amor.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

As riquezas escondidas

Deus depositou dentro de nós algo maravilhoso. Algo que vai além do que possamos imaginar. O seu amor, a sua graça e a sua bondade, estão em nós. Isso e muito mais. Mas nem sempre nós conseguimos ser aquilo que Deus quer que sejamos.

Para que possamos revelar as coisas mais belas e preciosas que estão guardadas dentro de nós, é preciso deixar-se moldar pelas mãos cheias de amor de Deus. Se for necessário, temos que deixar que as Suas mãos quebrem o vaso. O vaso que esconde nossas riquezas. É preciso muita coragem pra deixar-se “quebrar”. Dói muito. Pois, o orgulho começa a se romper, e, aquilo que era oculto aos olhos de muitos, começa a se tornar mais claro. Nós começamos a provar para nós mesmos que somos capazes de mudar, de fazer as coisas de uma forma diferente, de fazer a diferença.

Quem ama e quem se ama, sabe bem o quanto precisa estar aberto para mudanças. A única coisa que nos atrapalha é esse medo. Medo de abrir mão do que queremos. Do orgulho, da vontade própria. Pra muita gente é mais cômodo e confortável viver trancafiado dentro de si mesmo, sem dividir suas “riquezas”. Deus se torna “impotente” diante de pessoas assim. Que não se abrem, que não se permitem. Deus não pode fazer sozinho. Ele precisa da sua ajuda. Ele precisa que você se ajude.

Nós somos pessoas ricas. Uma riqueza que está guardada. É hora de deixar o vaso se quebrar. E entre lágrimas reconhecer: sem Ti eu nada posso e nada sou, Senhor!

sábado, 3 de dezembro de 2011

Desculpa, ainda estou aprendendo

Não aprendi a amar ainda. A cada dia que passa me convenço que amar é um verdadeiro aprendizado. Dia após dia, surge algo nos que me surpreende, e percebo que ainda não estou pronto, que ainda existe muito mais para se aprender.

A gente não aprende uma coisa da noite pro dia. Ou num passe de mágica. Assim como quando fomos alfabetizados. Todos os dias aprendíamos a desvendar o mundo das palavras. Letra por letra. Sílaba por sílaba. Palavra por palavra. Frase por frase.. até se formar um texto. No começo, quebramos a cabeça. Me recordo bem de quando comecei a estudar no pré. Tinha uma vontade enorme de aprender logo. Me frustrava com uma coisa tão simples, mas que me deixava muito nervoso a ponto de chorar. Coisa de criança. Não conseguia escrever a primeira letra do meu nome, o “R”. Pensa só na minha decepção..

Hoje, falando dessa forma, parece até insignificante para você que está lendo. Porque é um pouco pra mim também. Mas o amor está nas coisas simples. E pra mim, naquela época, naquela fase de aprendizado, era muito chato tentar e não conseguir. Você talvez está se perguntando: o que isso tem haver com aprender amar? Tudo! Amar é querer muito fazer a coisa certa, do jeito que tem que ser. Você quer fazer aquela pessoa, que você ama tanto, feliz. Porém, você é imperfeito, e nem sempre consegue. Sabe por quê? Porque amar é como tentar aprender a escrever o “R”, mas nem sempre conseguir. Porém não é porque você não consegue, que você vai desistir. Eu não desistia. Mesmo chorando, mesmo me irritando muito, eu continuava. Tentava de novo e de novo.

Talvez o que está faltando pra gente é insistência. Nunca diga que você nunca vai aprender a amar. Que você será uma pessoa amargurada pra sempre. Não diga e nem pense isso. Se você insistir. Se você tentar escrever de novo, com calma, com paciência.. você consegue. Não sei o tempo que pode demorar para isso acontecer. No entanto, existe a certeza que você vai conseguir! Quem quer, consegue. Quem não quer, desiste na primeira tentativa.

Interessante que em todas as placas ou letreiros que eu olhava, ficava parado ali lendo, observando cada letra. Foi em uma dessas vezes, que parei diante de uma placa giratória, onde estava escrito: “BORRACHARIA”. Foi impossível desviar o olhar. Observei bem. Depois disso, quando cheguei em casa, peguei meu caderno com tanto entusiasmo. Certo de que iria conseguir. E consegui! Foi um momento único pra mim. Uma satisfação tão grande. Ainda posso sentir aqui dentro de mim aquela sensação tão simples. Talvez você se acha um caso perdido. Será que você tentou o bastante? Será que não está na hora de tentar de novo? Observe bem ao seu redor. Veja tantas pessoas que se amam de uma forma tão pura e desinteressada. Veja.. você pode aprender a amar também. Tente de novo. Se não conseguir, fique calmo. Um dia você aprende. Só não desista. Insista. Amor é feito de perseverança. É tentar escrever no coração do outro com sua caligrafia tão imperfeita, tão rasurada. Não se preocupe com isso. Você é só uma criança que está aprendendo a escrever.

O único perfeito no amor é Deus. Só Ele tem um amor incondicional. Peça à Ele que te ajude, te ensine a amar. A escola da vida não é fácil. Mas é muito mais difícil quando você não é humilde o bastante para reconhecer que sozinho você não consegue aprender.


P.S.: Ainda quero escrever no coração de muitas pessoas o amor que sinto e que tenho aqui dentro. Guardado em mim.

Detalhes que a gente não vê


Esses detalhes pouca gente vê. Só os olhos do coração captam essas imagens.
Muita gente olha. Pouca gente .
Veja!

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Qual será o tamanho do meu coração?


“Depende de sua capacidade de se aproximar das pessoas simples e ouvi-las sem medo ou pressa! Depende de sua habilidade em tratar amorosamente aqueles que o mundo despreza, as pessoas com as quais você tem dificuldade e medo. O tamanho do seu coração tem relação direta com sua capacidade de simplificar as coisas, dizer a verdade e não se escandalizar com as limitações dos outros. Seu coração mede quem você é!”
Ricardo Sá

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Sweet december

Dezembro. Em fim, chegou o tão esperado mês. Claro que é o tão esperado depois do mês do meu aniversário (risos).

Dezembro dá aquele aperto no coração da gente. O ano está se consumindo em seus últimos dias, e a gente começa a se perguntar: o que eu fiz esse ano de bom, de ruim? O que eu mudei? No que eu mudei? Enfim, é uma infinidade de perguntas. Que, às vezes, me angústia um pouco.

Por outro lado, vem aquela sensação de esperança. Lá vem um novo ano. Algo pode mudar. Ainda que muitos digam que não faz muita diferença estar em um novo ano e que nada muda. Mas eu acredito que sim. Muita coisa pode mudar. E isso só depende da gente. O primeiro passo, a gente dá, o resto vem com o tempo.

Hoje, o primeiro dia desse mês, estou em paz. Espero que todo esse mês seja repleto de motivação. De uma vontade imensa de mergulhar de cabeça no novo que Deus tem pra mim. Mesmo que eu ainda esteja carregando de algumas decepções, por não conseguir fazer tudo o que eu queria. Mas que tenha sempre a esperança de que um dia tudo pode mudar.

Que dezembro me traga o novo, de novo!

Aceitar-se também é o segredo da felicidade


quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Voe..

“Quando nada mais lhe parecer valer a pena, aproveita as penas para criar novas asas e voe.”

Ana Jácomo

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Ser doce e grato sempre

Os tempos de hoje estão nos fazendo pessoas imediatistas. Queremos tudo pra ontem, pra agora. Porque se não for, a gente fecha a cara, faz birra e acha que Deus não ouve mais nossas preces. É sempre assim. Pedimos e queremos que no céu exista um serviço “delivery”. Que nos atenta em alguns minutos. Mas não é assim e nem pode ser. Porque se fosse, o mundo estaria cheio de crianças mimadas que têm tudo o querem e na hora que querem.

Não é difícil perceber quando uma criança é mimada. Quando seus pais fazem tudo que a tal criança quer, naquele momento em que ela pede. É impressionante. Sei que não posso dizer muito sobre isso, afinal eu não sou pai. Porém isso não é difícil de perceber. Quem sabe a nossa vida toda temos vivido dessa forma. Como crianças mimadas. Tudo acontece do seu jeito, como você quer. É como se houvesse um roteiro, escrito por você mesmo, na sua cabeça. Ninguém pode mudar a ordem das coisas. Você não aceita. Sempre dentro do seu mundinho. Nada pode sair dele. A não ser que você queira. Ah, e se mudar as coisas ficam feias e não tem quem suporte ficar perto de você. Você acaba se tornando uma pessoa amarga e que não se cansa de murmurar. Talvez aquilo não era pra ser. Talvez ainda pode ser e acontecer um dia. Ou quem sabe, nunca vai acontecer. Você só precisa aceitar. Mesmo sem entender.

Será que a gente não viveu ou vive assim? Será que não está na hora de mudar essa situação e começar a deixar Deus agir em nossa história de vida?

Questionar-se é o primeiro passo para uma mudança pessoal. Quem nunca se questiona, nunca vai caminhar com firmeza, com a certeza “estou caminhando na direção certa”. É preciso se interrogar, se pressionar de vez em quando. Colocar-se contra a parede. Esse é o lugar onde eu devo estar? Esse é o caminho que devo seguir? Pergunte-se. Não espere que venham te perguntar. Só encontra a felicidade quem procura.

A vida já é tão difícil. Mais difícil para uns, menos para outros. Mas é difícil pra todo mundo. Todo mundo têm seus problemas, têm seus calos nos pés, que de vez em quando é pisado por alguma circunstância. Ai dói bastante. Porque viver também dói, às vezes. E a dor existe pra lembrar que também existe uma cura. A vida já é assim.. e a gente ainda insiste em torná-la pior com as nossas pressas. Com a nossa vontade de solucionar tudo de uma vez. A gente esquece de ter calma. E atropela muita coisa no meio do caminho. Não adianta reclamar tanto. Só vamos nos tornar pessoas mais amargas e frias. O mundo já está cheio de gente assim. O mundo precisa de gente que saiba ser doce mesmo quando a ferida estiver doendo, quando os sapatos estiverem apertando e o calo estiver aumentando. Ser doce quando as dificuldades querem nos fazer amargos.

Não seja mais essa criança mimada, amarga. Seja uma criança doce. Que procura em cada detalhe da vida um motivo pra agradecer. Ainda que não tenha saído do seu jeitinho. Ainda que a cor da sua bicicleta não seja a sua preferida. Ainda que no lugar de um bombom você tenha ganhado uma bala pequenina. Agradeça sempre. Porque você vive. Porque você tem uma família. Porque você tem o que muita gente queria ter, mas que por algum motivo, não tem. Deus quer te ver feliz e te fazer feliz. Se Ele não te der algo é porque sabe bem, que não vai te fazer feliz.

Pense nisso.

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Sem medo

Seria tão bom se existisse uma máquina que pudesse fotografar o lado de dentro da gente. Quem visse a foto, talvez ficasse até impressionado com o que viria. Ou quem sabe, nós mesmos ficaríamos perplexos por ver algo que não conseguíamos perceber. É assim que a gente pode se sentir. Olhar é fácil. Difícil é ver. E ver com os olhos do coração. Nem todos conseguem nem todos querem. Mas é bom ver de uma forma sensível. Ver além de um rosto cheio de espinhas, maquiado ou marcado pelo tempo. Dentro de nós existe muito a ser descoberto, desvendado. Existe lugares dentro de nós que estão abandonados e desolados. Precisando de cuidados, da nossa atenção. Não adianta fingir que você não sabe. Pois, no fundo, todo mundo sabe o que existe dentro de si. É preciso encarar a própria realidade. É momento de visitar os lugares sombrios do nosso coração. Sem medo. Com determinação e vontade de mudar. Peça ajuda. Seja humilde. Deixa que Jesus entre junto com você e acabe com todos os “morcegos” que te assombram e que levam a sua paz embora. Não importa se você se sente abandonado e ferido. Saiba que existe esperança. Não há escuridão que resista à luz que emana da presença de Jesus. Ele quer entrar, mas você precisa deixar. Você precisa entrar também. Não seja covarde. Tenha a coragem de aceitar, de se assumir do jeito que você é. Ainda que pra você não tenha cabimento os erros que você já comentou, onde você caiu. Não importa isso. O que importa mais é a sua vontade de afugentar toda escuridão do passado. Se veja, se contemple, se assuma, se aceite, se ajude, se levante. Mas não fique ai deitado, debaixo dos cobertores do medo. Coragem! Existe muita luz do lado de fora do quarto.

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Amar é muito mais

Amar é se aproximar das rosas mesmo sabendo que ela está repleta de espinhos. Mesmo sabendo que podemos nos machucar. A beleza da rosa é maior que o medo dos espinhos. Amar também é isso. Amar é muito mais.

Se houver machucaduras, não se preocupe. O amor cura.

sábado, 19 de novembro de 2011

A dor pode ser um pedido de socorro

Existem feridas em nós que doem muito. Muito mesmo. Mais do que a gente pensa que pode suportar. Dói um pouco no começo. Depois dói mais. Daí a gente recorre aos analgésicos, a uma forma de anestesiar a dor, por um momento, e ter sossego pra respirar tranquilamente. Mas tem horas que a dor fica mais forte e nossa vontade é de usar morfina. Porém, nem a morfina é capaz de aliviar a dor que vem de dentro. Dor que fere, sangra e machuca.

Só sabe da dor quem a sente. Por isso, é extremamente desprezível condenar ou julgar o que o outro sente. Se você não está na pele do outro, se você não está dentro dele, sentindo o que ele sente e, passando o que ele passa, por favor, não julgue. Não se ache no direito de dizer que você sabe o que ele passa. Você não sabe! Talvez até tente saber ou sentir, mas no fundo, só sabe, quem passa. Existe momento que é melhor você ficar calado. O silêncio pode ser mais acolhedor da dor do outro. Palavras, às vezes, podem ser um dedo insensível tocando nas feridas abertas. A gente que sente sabe bem, não é?

Pois é. Sentir tudo que vem de dentro nem sempre é fácil assim. Dizem que é frescura. Que é perca de tempo ser assim. Alguns brutos ou insensíveis podem até dizer que é “viadagem” (com todo o respeito digo isso, pois é dessa forma que muitos se referem à quem é sensível). Mas quem sente, sabe que existem dias que dá vontade de desistir de nós mesmos. Dá vontade dar um basta a tudo e fingir que nada mais existe dentro de nós. No entanto, não pode ser assim. A gente sabe que não dá pra viver fingindo que não existe algo dentro de nós, pedindo atenção, pedindo cuidados. Não dá pra viver empurrando tudo com a barriga. Não vamos chegar a nenhum lugar com isso. E pra quem quer viver na verdade e de verdade, sabe que pra viver é preciso ter um ponto onde a gente vai chegar e sossegar. É preciso ter um foco, uma direção.

Se existe algo dentro de nós, é preciso olhar bem pra isso, encarar a dor, as feridas mais feias que existem. Se estiver doendo é porque algo está errado. O coração está pedindo uma ajuda. Quem sabe não seja um pedido de socorro? Sabe, talvez está doendo tanto por causa de nós mesmos. Estou descobrindo que certas feridas insistem em doer, porque nós ainda insistimos em tocar nos mesmos espinhos. A vida é uma caminhada. E no caminho existem espinhos. Talvez ainda estamos voltando em lugares que já passaram em nossa vida. Voltando e tocando naqueles espinhos que deixaram feridas profundas. Talvez elas já estavam cicatrizando, mas nós somos teimosos e voltamos. O caminho da nossa vida precisa ser pra frente. Nossa vida precisa seguir o seu curso normal. Olhando pro foco, que é Deus. Ele é a fonte de toda cura para o nosso coração. Se olhamos para Ele não dá vontade de voltar. Só existe vontade de seguir, seguir o caminho de cura e restauração que Ele tem pra nós. Deus nos fez pessoas capazes de amar, perdoar e superar qualquer tipo de dor. Mas pra isso é preciso que você e eu nos ajudemos. Não adianta Deus estar diante de você, e você continuar com os olhos fechados e com os braços cruzados. Tome uma decisão.

Abra os olhos. Descruze os braços. Deus está te esperando. Como um pai que cuida de seu filhinho que acabou de cair e se machucar. Ele tem o remédio que você precisa. Ele tem o amor que o seu coração deseja. É só ir. Vá... Ele te espera.

Eu vou! E você?! Vai?

Pra quê o desespero?

“é só o vento lá fora...”

Quando ouço esse trecho de uma música de Legião Urbana, meu coração logo encontra sossego e paz. Não sei explicar direito. É inevitável ter essa sensação diferente ao ouvir uma frase tão simples, mas que pra mim, tem uma força enorme.

Há dias em que estou impaciente. Querendo uma resposta, uma direção pra minha vida. Me dá um medo do que pode acontecer, de como e quando as coisas vão se resolver. É um conflito interior interminável. Parece que não vai passar. Mas passa em um dado momento. No momento em que eu percebo que não há tantos motivos para se desesperar. Porque “é só o vento lá fora...” Mas quando estamos em conflito, uma pequena e rápida ventania, acaba se transformando em uma tempestade assustadora.

Vamos sossegar o coração. Fiquemos tranqüilos, pois existe tantas pessoas nesse mundo que estão sofrendo, padecendo em cima de uma cama de hospital, e mesmo assim, estão agradecendo à Deus por estar vivas. E nós? O que estamos fazendo? Será que a gente não reclama só por causa de uma unha quebrada? Não vamos transformar o vento numa tempestade. Fique calmo. Seja paciente. E tenha paz em seu coração.

De repente, tenho paz. E espero...

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Faço parte

“Deus, eu faço parte do teu gado estranhamente humano marcado para correr, amar, morrer, querendo colo, explicação, perdão e permanência.”

Lya Luft

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Precisava acontecer

“O tempo, de vento em vento, desmanchou o penteado arrumadinho de várias certezas que eu tinha, e algumas vezes descabelou completamente a minha alma. Mesmo que isso tenha me assustado muito aqui e ali, no somatório de tudo, foi graça, alívio e abertura.”

(Ana Jácomo)

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Ainda existe uma saída

São toques tão suaves e tão doces que estão permeando meus ouvidos. Dos ouvidos, vão até a minha mente, e a caixa da imaginação e dos pensamentos é ativada. Não há como resistir ao pensamento profundo sobre tudo que tem acontecido. É como se um acontecimento se desdobrasse em cima do outro. De repente, me vejo perdido, como uma criancinha indefesa, que se perdeu de seus pais, no meio de uma multidão agitada. Criança que só tem um desejo: ser encontrada. Se encontrar no meio daquela agitação. Deixar de ser mais uma pessoa ali.

Olhando os rostos ao meu redor me sinto confuso. Olhando as paisagens me dá receio. Quem é de verdade? O que é real no meio dessa bagunça, que está me rodeando por todos os lados e me pressionando a fazer uma escolha? Não há respostas. Justamente agora em que existe essa necessidade de saber pra onde ir, o que escolher.. nada e nem ninguém responde. É o silêncio que fere e que cura. O silêncio nem sempre é abandono. Ele é preciso para que a gente se encontre, escolha o caminho, entre no lugar certo e faça a coisa certa. Naquele momento em que só ouvimos o barulho das pessoas, dos problemas a nossa volta, ainda existe um silêncio enorme. Silêncio interior. Silêncio que lembra: eu sou livre para escolher e ninguém pode me pressionar.

Escolher é tão difícil. Principalmente quando existe um silêncio insuportável dentro de nós. Desejamos tanto ouvir uma voz que nos acalme, nos traga paz e direção. Não queremos de maneira alguma nos sentir perdidos no meio da multidão, mas infelizmente é assim que estamos. Perdidos. Inquietos, estamos procurando com urgência uma forma de sair daquela situação que nos aprisiona e nos sufoca. Parece que não tem saída. Não é? Mas tem sim. Eu ainda não vejo. Confesso. Não precisamos ver para acreditar. Mas existe uma saída pra cada um de nós. Nem tudo está perdido como parece.

Estou escrevendo isso, por que existe algo dentro de mim que ainda se move e não me deixa desistir. Algo dentro de mim, me fez levantar ao som desses toques suaves, para escrever algo que me fizesse entender um pouco mais, e, te fizesse entender um pouquinho mais sobre você e o que você passa. O que passamos. Algo dentro de mim, me leva a acreditar que a criancinha indefesa e perdida (que somos todos nós) pode ser encontrada. Algo dentro de mim, não deixa que eu me preocupe com o tempo que vai levar para tudo isso acontecer. Não se preocupe com o tempo, se preocupe com o que virá depois. Algo dentro de mim tem nome. Bem verde. Como uma folha de primavera. Ela é simples... Esperança! Eu tenho, você tem e todos nós temos. Não deixe que ela seja sepultada. Se ela já foi, ressuscite-a. Abra de novo a sepultura, chore, ria, mas não deixa a esperança ficar soterrada dentro das áreas mais escuras que existem em você.

A hora de sermos encontrados vai chegar. De repente, um alguém vai romper no meio daquela multidão, abrindo espaços para chegar até você. Vai gritar seu nome. Seu coração vai bater mias forte. Você vai gritar: estou aqui! A esperança e alegria vão se misturar e queimar em seu peito. Você vai respirar aliviado e pensar: consegui...

Haja sempre esperança em mim, em ti e em nós! É o que desejo no meu silêncio.

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Do lado de dentro

Não tenho medo e nem vergonha de expor aqui algumas coisas do que já fiz ou vivi. Há algum tempo atrás me consultei com um psicanalista. Foi muito bom, realmente eu estava precisando naquela época. Não que agora eu não precise mais. Só que agora aprendi (com ajuda dele) que posso solucionar muitos conflitos que existem dentro de mim. Preciso muito da ajuda dos outros, como qualquer outra pessoa precisa. Reconheço isso. Porém, reconheço também que preciso exercitar a autoconfiança. Confiar mais na minha própria capacidade de me levantar da cama, abrir a porta e sair do quarto escuro que tanto me aprisiona.

Estava vivendo dessa forma: aprisionado dentro do meu quarto escuro. Observando por uma janela minúscula o que acontecia do lado de fora. O quarto só ficava iluminado e cheio de vida quando algo acontecia. Ou seja, tudo o que acontecia dentro do quarto, dentro de mim, dependia única e exclusivamente do que acontecia em volta, do lado de fora. Era uma dependência terrível. Dependência que em apenas uma consulta, o psicanalista foi capaz de perceber. Eu também já sabia disso, mas não tinha coragem de encarar a realidade, de que eu só era feliz se todos a minha volta estivessem “bem” comigo.

Infelizmente a covardia nos derruba, nos cega e nos manipula como mãos que seguram um fantoche. Sabemos muito bem que estamos vivendo de uma forma errada, que precisamos mudar urgentemente, mas o medo não deixa. O medo sempre persegue. Aquele medo de deixar de ter a presença, o carinho, e, a cima de tudo, o amor do outro. Sempre tive esse medo. E quem me conhece bem já ouviu essas palavras vacilantes dos meus lábios: “tenho medo de todos deixarem de me amar”. Penso que são muitos os que carregam esse medo em seus ombros. É o medo da solidão, de não ter com quem contar naqueles momentos..

Além de manipulador, o medo nos paralisa e faz com que nos achemos incapazes de vencer nossos conflitos, andar no meio de uma tempestade, e ser feliz sem depender (totalmente) do que está acontecendo externamente. Se começarmos olhar bem pra dentro de nós mesmos, começaremos a perceber que somos capazes sim, que dentro de nós existe uma força tremenda capaz de nos erguer, capaz de curar toda paralisia, toda cegueira. Porque às vezes, a gente só consegue enxergar o outro, nunca nos enxergamos. Nós olhamos para o outro e vemos muita força, mas quando olhamos pra dentro da gente só vemos fraqueza e limitação. Realmente somos assim. No entanto, é na fraqueza que a nossa força (dada por Deus) se revela.

É momento de tirar os olhos da janelinha do quarto. Vamos olhar pra dentro dele. Não importa se ele está sujo, bagunçado e escuro. Se estiver assim, é hora de começar a trabalhar, de fazer alguma coisa para isso tudo mudar e ficar diferente. Não adianta ficar esperando o outro entrar e te ajudar a colocar tudo no lugar. Talvez ele esteja muito ocupado fazendo a “faxina” no quarto dele. Preocupemo-nos agora em cuidar de cada cantinho desse quarto. Limpar cada sujeira minúscula, deixar cada coisa, cada sentimento no seu devido lugar, acender a luz. E por fim, abrir a porta com coragem. Assim, quando alguém quiser entrar, vai encontrar paz e muita luz. Vai entender que ali dentro existe alguém que se gosta, se ama e se cuida. Alguém que aprendeu a confiar em si mesmo e na força que Deus dá em todos os momentos. Alguém que não desistiu de ser. Alguém que lutou pra vencer.

É isso que somos: vencedores. Em cada conquista, em cada lágrima derramada, em cada conflito contra a nossa própria escuridão, em todos os momentos. São vencedores os que não têm medo de ser feliz, mesmo que muitos a sua volta não contribuam para isso. Seja feliz, vencedor, seja amor para você e para os outros. E não espere nada em troca. Amor não exige nada. Amor só ama e ponto.

sábado, 29 de outubro de 2011

Calma e só

“Sinto que toda aquela carga de angústia e inquietação que eu tinha está-se indo. Quero muita calma daqui pra frente.”

(Caio Fernando Abreu)

Um protege o outro


Em uma tempestade uma pessoa frágil pode ser um guarda-chuva para outra pessoa (também) frágil. Ai me perguntam: como se as duas são frágeis. Sabe.. aprendi e estou aprendendo que uma fragilidade pode proteger a outra. Porque ambas se conhecem, se entendem e se encontram no meio das constantes tempestades. As fragilidades se misturam e se tornam tão claras, tão limpas e tão fortes que não há nada que possa destruir a força que vem de um coração frágil e sensível.

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Quem?

“Eu faço o povo rir, mas e quem vai me fazer rir?”

(Filme - O Palhaço)


Essa frase me chamou muito a atenção no trailer de um filme. Até hoje está revirando dentro de mim...

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Aprendendo


Deixar cair a flor é aprender a se humilhar no tempo do sofrimento. Naqueles momentos em que parece que estamos sufocados por tanta dor. Olhar pra dentro de nós mesmos, e ver que somos capazes de superar a dor de cada momento difícil e doloroso. Enquanto nós assumimos a nossa condição de pessoas limitadas, nós submetemos a nossa própria vontade para que sejamos transformados em pessoas melhores. Um ‘melhor’ que não esmaga o coração do outro. Mas espalha por onde passa o seu doce perfume. É preciso passar pelo inverno para chegar à primavera. Não tente mudar esse ciclo tão necessário para nossa existência. Se existimos, precisamos viver. Se vivemos, precisamos aprender. E se aprendemos, precisamos crescer.. ainda que o tempo se arraste lentamente durante esse processo tão belo. Talvez você não saiba e nem perceba, mas o nosso sofrimento de hoje, pode ser motivação de vida para alguém amanhã. Não jogue nada fora. Você precisa de cada momento. Você precisa viver!

Seguro em sua mão

Nós caímos porque esquecemos que precisamos nos apoiar em alguém, segurar uma mão, ter uma direção.

Muitas vezes a gente só lembra que precisa de uma mão nos sustentando no caminho, quando já estamos caídos. Só nessa situação, lembramos de estender a mão para que Ele nos levante.

Quando ficamos em pé bate aquele orgulho. Aquele pensamento: “Ah, aprendi a andar. Posso fazer tudo sozinho agora.” Sinto muito, mas depois do orgulho vem a queda. Onde está a humildade nessas horas? Me desculpe, mas está no lixo.

Se houvesse mais humildade em nossos corações, no momento em que estamos em pé reconheceríamos que dependemos dEle para continuar caminhando. Precisamos segurar em sua mão e continuar caminhando, como uma criança que não sabe andar direito.

Murcha o peito. Tira o orgulho. E reconhece que sozinho você não pode. Sozinho a gente não consegue. O caminho do orgulho só nos leva ao chão. Deus não quer a gente caia, porque Ele nunca deixou de estender a sua mão acolhedora para nos ajudar a caminhar.

Então, eu caminho ao lado daquele que não me desampara. Seguro em sua mão e vou...

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Vivendo de comparações

Nosso olhar sobre a vida dos outros, às vezes, é muito comparativo. Temos essa mania absurda de ficar comparando o que nós vivemos, somos e fazemos com a vida das pessoas que estão perto de nós. Acho isso muito feio. É como se você quisesse se encaixar dentro de um molde que não te cabe.

Não há nada mias verdadeiro e transparente do que ser apenas aquilo que nós somos. Ser do jeito e da forma que Deus nos fez. Deus em seu perfeito plano de amor criou um molde (ou uma forma) para cada um de nós. Molde esse que é exclusivo, único, e jamais vai existir outro parecido a esse. A gente só cabe dentro dele, por mais difícil que seja viver dentro desse molde, é ali, dentro dele que a nossa vida é completa. Por que ser completo, não é procurar na vida dos outros, aquilo você acha que lhe falta. Ser completo é buscar naquele te criou tudo que você precisa. Mas não sabemos sossegar, sempre queremos desviar o olhar pro lado, pra vida do vizinho. Logo vêm as interrogações: “por que ele é mais feliz que eu?” “porque ela tem mais dinheiro que eu?” “porque ele tem mais atenção, carinho do que eu?” Sempre existe as comparações, nunca estamos satisfeitos.

Insatisfação só nos leva a murmuração. De repente, esquecemos quão maravilhoso é viver a nossa vida, sofrer os nossos próprios sofrimentos, sentir a dor de nossas feridas, nos alegrar com nossa própria alegria. Pra muita gente é difícil fazer isso. É mais fácil viver de comparações. Viver de “eu quero ser que nem ele”. Eu sinceramente não quero ser que nem ninguém. Quero ser eu mesmo. Ser o que sou sem retoques artificiais. Sempre disse isso para algumas pessoas e repito agora: Nunca queira sem igual a alguém. Queria ser você mesmo. Porque Deus te criou assim. E também deu algo especial para você.

Aceitar a sua realidade, aquilo que você é, não vai aliviar as dores de ser você, mas vai te dar uma graça muito grande. A graça de viver a vida que Deus te deu. Se Ele te colocou nesse molde é porque você pode ser feliz e completo nele. Ainda que seja doloroso.. o que importa é viver a verdade e não a mentira. Deus vai nos ajudar, pois Ele sabe muito bem dos nossos limites. Foi Ele quem nos criou. Se você não consegue ver o lado bom disso, é por que você está cego pela exagerada insatisfação.

Tente olhar de outra forma a sua própria vida. Veja o quanto você é especial. Não existe ninguém igual a você. Pra quê essa vontade de viver a vida do outro? Queira ser você. Ainda que dê trabalho e te exija muito esforço. O Importante agora é ser você. É ser verdade no meio de todas as mentiras que existem nesse mundo.

Tire os pés do chão



terça-feira, 25 de outubro de 2011

Vai clarear

“A gente carrega dentro do peito todos os sonhos do mundo. Isso é tão bonito, tão encantador, tão cheio de esperança. Acho que é isso: precisamos da esperança, precisamos acreditar naquela fagulha que fica lá dentro dando a entender que tudo vai clarear, clarear, clarear.”

(Clarissa Corrêa)

Quero de novo

Quero de novo aquele toque que me toca

Quero de novo aquela presença que me acalma

Quero de novo aquela chama que me aquece

Quero de novo aquela chuva que me refresca nos dias quentes

Quero de novo aquele sorriso verdadeiro

Quero de novo aquela leveza de estar dependente do Pai

Quero de novo aquele colo acolhedor e que me faz receber amor

Quero de novo aquilo tudo levaram de mim

Quero de novo aquele olhar firme e fixo naquele que me ama

Quero de novo aquele desejo de lutar pelos sonhos que Deus plantou em mim

Quero de novo aquela esperança por dias sempre novos e renovados

Quero de novo aquela esperança na mudança das pessoas

Enfim, talvez seja muito, mas só quero tudo de novo...

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Noite fria, coração frio

Noite fria. Meus pés estão descalços e tocam o chão. O frio do piso se une ao frio insuportável do meu coração. Nunca gostei da frieza de sentimentos. Nunca hei de gostar. Como já disse, é insuportável. Não cabe dentro de mim esse coração que se assemelha mais a uma pedra de gelo e não a um coração de carne, vivo e que pulsa com todo fervor. Não é escolha minha. Se assim fosse, não escolheria um coração assim. É claro que isso não quer dizer também que eu seja insensível. São só fases passageiras que qualquer coração (aberto) está sujeito a passar.

Meu coração está aberto. Às vezes, aberto até demais. Admito que há momentos em que perco o controle. Não sei quem está entrando, nem saindo ou pra quê veio, ou o que trouxe. Se é bom ou ruim. Enfim, me perco nas andanças que acontecem no meu interior. No meu jardim escondido. De um tempo cá estou buscando colocar certos limites. Mas sou limitado. E nem sempre consigo limitar as entradas constantes no jardim. Antes preciso entender as minhas limitações (que são muitas por sinal). Sinto que uma das limitações que me impedem de cercar com mais cuidado as portas do meu coração, é justamente a necessidade do outro. A sede de buscar no outro aquilo que eu preciso. Aquilo que me completa e preenche os espaços vazios. Preencher espaços vazios não quer dizer ser “tapa buraco” na vida de alguém. Não. É ser apenas aquilo que o outro precisa. Deus me deu muitos “alguéns” para justamente me mostrar que eu não estou sozinho. E por isso sou sempre agradecido.

No entanto, nem sempre consigo distinguir as boas intenções daqueles que chegam, daqueles que querem entrar. Trazendo em si uma bagagem que nem sempre tem o desejo de felicidade. Sei que o outro é também imperfeito. Mas as intenções erradas não têm nada haver com suas limitações. Ser limitado não é ser fonte de destruição dos sentimentos e do afeto do outro. Nós precisamos entrar no coração do outro para levar o nosso melhor, aquilo que nós desejamos tanto que ele tenha, sem limitações. Ser paz, amor, aconchego, cobertor numa noite fria, refúgio numa tempestade. Ser muito mais além do que nós possamos entender.

E quando isso tudo não acontece vem a decepção, a desilusão. Porque eu abri as portas, o outro entrou, não trouxe o que eu precisava. Pelo contrário, trouxe tudo aquilo que eu estava evitando e fugindo de toda forma. Então, o gelo começa a se formar, como uma casca, envolvendo todo o coração. Impedindo a passagem. Tantos querem entrar. Trazer aquilo que nós precisamos. Trazer consigo a intensidade de um amor verdadeiro. Amor que é capaz de curar toda ferida. Toda decepção e desilusão. Por maior que tenha sido a decepção, ela não é capaz de superar a força de um amor verdadeiro.

Estou aqui tentado abrir passagem pra quem quer entrar de verdade. Pra quem traz em si um desejo de paz. Meu coração já está cansado das mesmas angústias. Meus olhos já estão cansados de ver a mesma cena. Meus ouvidos também se cansaram de ouvir a mesma melodia. Quero tudo novo. Quero ver de novo. Quero acreditar de novo que tudo pode mudar. Quero aquecer meu coração com a chama do amor.

Vou agora chegar bem pertinho das chamas desse amor. Vou deixar elas me envolverem. Derreterem por completo meu coração de pedra (de gelo). Até que a passagem esteja livre. E eu possa, enfim, voltar a ter um coração aquecido. Que sabe amar. Só quero amar. Só isso. É tão simples, mas às vezes, tão difícil. Mas estou aprendendo. Eu sei que posso e sei que consigo.