segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Espinhos ou flores? Você escolhe

Quem me conhece bem, sabe o quanto gosto de solidão. Sabe que eu também gosto de ficar sozinho, ouvindo música, lendo e escrevendo, me encontrando com o meu Senhor, enfim... me fazendo companhia. Mas nem o mais apaixonado pela solidão pode negar que sempre carrega em si uma necessidade imensa de uma companhia verdadeira, real. Que acolha, abrace, faça cafuné e o deixe ser quem é de verdade. Sem precisar se esconder nas sombras do medo. Sou eu, este apaixonado pela solidão, porém aquele que também nunca dispensará uma presença intensa que me traga aquilo que eu sempre procuro.

Estamos nessa constante procura do que somos, do que queremos, para onde iremos... E nessa procura é preciso que haja também o outro ao nosso lado. Ninguém pode viver sozinho. Nem aquele que se acha o mais forte do mundo. Nem aquele que acha que toda a sua fortuna basta para viver. Dinheiro não substitui aquele abraço acolhedor, aquela mão estendida, aquele olhar sincero e tão brilhante de amor. Se ele pudesse comprar tudo, muitos ricos não viveriam uma vida vazia, com os pés no precipício, prestes a se entregar às suas angústias e tristezas. Nada pode comprar a sinceridade e a pureza de um sentimento. Nada!

Para muita gente ainda é muito difícil ter que engolir o próprio orgulho e admitir que precisa também de alguém em sua vida. Um amigo, uma namorada, uma esposa, alguém... Talvez é até insuportável, mas se a gente não engole esse “bendito orgulho” vamos acabar sozinhos. É tão triste perceber o quanto as pessoas estão se transformando num ser mesquinho, egoísta e que só pensa no seu mundinho. Mal consegue dar uma espiada no “mundo” do outro. Vive só para si. E ainda pensa que as pessoas que estão erradas. Que são as pessoas que não querem se aproximar. Essa é só uma forma de não assumir que suas atitudes estão erradas. Culpar o outro, às vezes, se torna a melhor solução. Pra quê? Eu posso viver muito bem sem eles! Sou feliz sozinho e não preciso de ninguém. Eu sei que muitos e muitos ainda pensam assim e por mais triste que isso seja, no fundo eu acredito que ainda exista uma necessidade muito grande por alguém, por braços que acolham seu corpo e seu coração cansado. Acredito que o coração mais duro pode ser amolecido. E não importa o tempo que demore.

Pense bem em qual situação você está nesse momento. Talvez você está pensando que as pessoas te abandonaram, que deixaram de te amar e que era tudo falsidade. Mas será que o “problema” não está em você? Quem sabe eles ainda tentam ou tentaram se aproximar, mas você já estava todo envolto de espinhos, preparado para repelir e rejeitar a presença de quem chegava mais perto de você? Ai, eles se afastaram, se sentiram machucados por suas palavras tão amargas e orgulhosas. Palavras que com certeza machucaram depois o seu coração, que eu garanto que não é de ferro nem de pedra. Ainda que você tenha feito isso. Eu quero te dizer que eu acredito em você e sei que ainda existe um coração sensível ai dentro, e que pode voltar a amar, a se abrir pra quem bater. E não ser mais espinhos. Ser flor nesse jardim da vida. Flor que traz vida, perfuma, dá cor e alegria.

Não culpe mais ninguém se você está sozinho. Pense bem antes. Comece a sondar todas as suas atitudes. Não importa se elas são feias e te dão vergonha. O que importa é se você está decidido a mudar. Queira a mudança. Não tenha medo dela. Ela vai te fazer muito bem. A sua amargura vai se transformar em pura doçura. Porque estar ao lado de quem você ama, é sempre ser para ele, aquilo que você sempre quer que ele seja para você. Se eu quero que o outro me dê carinho, eu preciso começar dando carinho. Conseqüentemente o resto virá. Seja paciente com você mesmo nesse processo de derrubar as barreiras, tirar os espinhos e abrir as portas do coração.

Sabe, quanto a mim... não quero mais ser espinho. Quero apenas ser remédio que cura as feridas de quem se achegar bem pertinho de mim. Que ninguém passe pelo jardim do meu coração sem ser perfumado pelos aromas das flores que nele existe. Se você passar, por favor, não tire nada do lugar, nem destrua alguma coisa. Passe devagarzinho, com calma, deixe a sua marca. Não é porque as portas estão abertas que você pode entrar e fazer o que quiser.

É importante isso: nunca deixe o outro fazer o que quiser no seu jardim. Aprenda a se respeitar. Não é porque bateram que você deve abrir. Deixar de ser orgulhoso não quer dizer que você deve deixar todo mundo entrar na sua vida e fazer o que quiser. Deixar o orgulho de lado é você ter a consciência que você também precisa do outro, mas o outro deve sempre te cuidar, trazer os seus aromas e nunca te roubar aquilo que você tem de mais precioso.

Enfim, estou assim: no meu quarto, sozinho, ouvindo música e o barulho de alguns trovões, escrevendo (ou melhor, digitando), com a luz apagada. Desfrutando um pouco da solidão noturna. Que nunca me deixa esquecer, que existe alguém que não me incomoda se entrar e levá-la embora consigo. Leve minha solidão e me dê sua mão.

2 comentários:

  1. Que Coisa mais linda, Jão... Mexeu profundamente com meu coração. obrigada por cada delicadeza
    amo você e daqui seguro sua mão

    ResponderExcluir

Traga um sorriso ao meu coração :)